E surpreendentemente a Liberdade / And surprisingly Freedom

CONVITE MÁRIO VITORIA-1

Exposição Individual na Ap’Arte Galeria de Arte Contemporânea
solo exhibition at Ap’Arte Contemporary Art Gallery

http://www.apartegaleria.com/


31 de Outubro 2015 a 9 Janeiro 2016. (16h)

Rua Miguel Bombarda, n.221
4050-381
Porto

“E surpreendentemente a Liberdade”

Esta exposição propõe a celebração atenta da Liberdade perante os sinais perturbadores dos tempos. Já que Liberdade enquanto forma de participação no mundo é surpreendentemente, cada vez mais rara. As obras representam vários desafios perante as atrocidades que envolvem a Humanidade, sobretudo a partir dos corredores trágicos de migração que mostram, cruelmente, como o mundo não é de todos na sua prática.

Da Guerra, ao lucro extraído do armamento, até à tortura capitalista contemporânea, a exposição narra e exalta a travessia actual das civilizações (das quais a cultura portuguesa não é excepção) para um novo território, onde o símbolo de herói dá lugar a acções carismáticas. Aquelas que se manifestam, por vezes de um modo imprevisível na superação do niilismo contemporâneo. Não querendo ser redutor, mas no caso Português, tal qual um aqueduto com muitos arcos, de rumo forte para matar a sede em lugares remotos. Numa ponta Camões na outra Aristides de Sousa Mendes. Transportando Herberto e Saramago aos molhos com Virgilio à mistura. Deste modo, “saciados”, saberemos que D. Sebastião já chegou e que Zizeck nunca foi inimigo do ocidente e tal como identificou Pascoaes o “poeta maior” F. Pessoa está bem presente em toda a “Pessoa” que desenhe gestos magnânimos. É este ultimo ponto que a exposição procura sublinhar, no lapso contra a dignidade Humana está a urgência de gestos carismáticos “e surpreendentemente a liberdade”, dada a sua aparente fragilidade no risco de extinção.

Assim, a exposição marca a viagem do Homem pós-moderno e (A)ocidental, dos seus sentidos perante a ruína e as esperanças em migração. Narra a deslocação dos seus sonhos, das suas identidades, raízes, crenças e aspirações. Quer assinalar o dever e a responsabilidade de todos, que está em assegurar um porto de abrigo para a dignidade de cada um de nós. Se o mundo, a terra, o universo com todas as suas galáxias e todas as que estão por descobrir e criar, são de todos, edifique-se então a urgência de um “Abraço Magnânimo” que nos distancie da estância do “MEDO” (forma maior de agressão e desprezo da contemporaneidade), relançando aquilo a que chamamos “a grande união de cardumes”.

Mário Vitória, Porto 13 de Outubro de 2015

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s